institutophaneros

Manifestantes são presos em protesto a favor da psilocibina para pacientes terminais

institutophaneros

Já contamos aqui o caso dos pacientes terminais nos EUA que estão processando o Ministério da Justiça e o Drug Enforcement Administration (DEA), o órgão que combate o tráfico de drogas por lá, pelo direito de ingerir psilocibina na fase final de suas vidas. Juntamente com seus médicos, duas mulheres esperam poder ingerir legalmente o princípio ativo dos chamados cogumelos mágicos para ajudar a aliviar a ansiedade e a depressão que costumam vir junto com uma doença incurável. O DEA, no entanto, recusou a demanda.

No começo de maio de 2022, as pacientes, juntamente com um grupo de ativistas, resolveram dar mais um passo rumo às suas reivindicações. Para isso, organizaram um protesto na frente da sede do DEA. Os ativistas soltaram bombas de fumaça colorida, colaram cartazes e escreveram mensagens de protestos nos muros e janelas e tiraram as bandeiras de sinalização do edifício. Como era esperado, a polícia foi chamada.

As autoridades não detiveram os manifestantes imediatamente. Em vez disso, tentaram negociar com oficiais do DEA uma possível negociação com os ativistas, o que também foi negado. Depois de um debate de horas, a polícia acabou algemando e prendendo 16 ativistas.

Kathryn Tucker, a advogada de Erinn Baldeschwiler, uma das pacientes terminais que estão processando o DEA, também estava no protesto. “Estamos aqui para exigir que o DEA abra um caminho para o acesso. Nenhum paciente terminal deveria sofrer de ansiedade e depressão debilitantes, quando existem alternativas para isso”, disse ela ao portal Marijuana Moments. “É incompreensível que alguém possa negar esse tipo de alívio para um paciente que está morrendo.”

Outro manifestante presente era David Bronner, CEO de uma marca de cosméticos naturais, a Dr. Bronner’s Magic Soaps, e notório ativista pela legalização das drogas. “Não estamos aqui pedindo pela compaixão do DEA, estamos exigindo que sigam precedentes legais”, disse.

Atualmente, diversos estados americanos estão flexibilizando suas regulamentações em relação aos psicodélicos.

I phaneros

Esta semana na comunidade: Sandplay na integração

I phaneros

Os encontros da Comunidade Phaneros 2022 seguem a todo vapor. Esta semana, daremos início a um eixo central do grupo de estudo: a compreensão e o estudo de diferentes linhas terapêuticas e suas potenciais colaborações para a terapia psicodélica. O foco da aula desta terça-feira, dia 6 de maio, é a técnica conhecida por Sandplay. Para isso, o Instituto Phaneros convidou uma de suas alunas da Formação em Pesquisa com Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (FoPAP), Mercedes Elena Gutiérrez Ávila, especialista na técnica.

Baseado nos conceitos teóricos do psicanalista austríaco Carl Gustav Jung, o Sandplay é uma técnica não-verbal para facilitar o acesso ao inconsciente do paciente. Com a ajuda de uma caixa de areia, o paciente pode manipular seu conteúdo, desenhar sobre ele, molhá-lo, manuseá-lo e até acrescentar objetos em miniatura de sua escolha. A análise então é feita sobre a imagem criada ao final, uma vez que, de acordo com Jung, nosso inconsciente é permeado por símbolos, que podem vir à tona por meio desse exercício. 

O Sandplay pode ser interessante, por exemplo, para quem tem dificuldade em se expressar por meio de palavras – por isso, é usado com frequência também nas terapias com crianças. Seu efeito é frequentemente tranquilizador e relaxante, conduzindo a um estado contemplativo, o que também é uma vantagem para pessoas passando por situações de estresse ou com problemas de impulsividade.

O encontro faz parte do bloco de estudos chamado “Psicoterapia, Preparação e Integração” da Comunidade, no qual se espera que os membros entrem em contato com as práticas terapêuticas mais estabelecidas e comecem a se aprofundar na interação entre psicodélicos e psicoterapia. Para esse fim, a troca com profissionais que já atuam na área e que têm vivências clínicas se torna um elemento de aprendizagem importante.

Ao longo do ano, a Comunidade oferecerá 35 encontros, sempre às terças-feiras, com visitas de alguns dos maiores especialistas do assunto no Brasil e no mundo. Neles, serão discutidos artigos científicos, filmes, livros e documentários sobre o universo dos psicodélicos e suas aplicações para a saúde mental.

 

institutophaneros.org

Esta semana na Comunidade: a integração entre terapia e psicodélicos

institutophaneros.org

Depois de uma breve pausa na semana passada, a Comunidade Phaneros 2022 volta agora com mais um tema essencial. Dessa vez, a discussão será em torno de um artigo científico escolhido pelo grupo no nosso canal exclusivo no Telegram: “Integrating psychotherapy and psychopharmacology: psychedelic-assisted psychotherapy and other combined treatments”, de Kyle T. Greenway, e Nicolas Garel, da Universidade McGill, no Canadá, entre outros.

O trabalho trata-se de uma revisão de centenas de outras publicações lançadas anteriormente que focam na integração entre terapia e psicodélicos. No total, os autores revisaram 239 papers para tentar entender de que maneira a psicoterapia pode interferir (ou intensificar ou auxiliar) no tratamento para distúrbios psiquiátricos feitos com psicodélicos.

A combinação entre psicoterapia e medicalização costuma ser vista com o padrão ouro da psiquiatria, especialmente para tratar dois dos transtornos mais prevalentes do mundo: a depressão e a ansiedade. Nesse contexto, os psicodélicos surgiram como mais uma promissora alternativa a ser prescrita juntamente com o acompanhamento psicológico, na chamada PAP (Psicoterapia Assistida por Psicodélicos). 

Como dizem os autores, ao se voltar para a história dos tratamentos psicodélicos: “Logo depois de sua descoberta, o LSD chamou a atenção de psicanalistas, que estavam profundamente interessados nos processos mentais internos e em conceitos como o ‘ego’. Levar material do inconsciente à consciência de maneira a ser ‘trabalhado’ dentro do consultório é um dos objetivos fundamentais da psicoterapia orientada por insights, e o LSD foi rapidamente visto como um catalisador pela psicanálise”. 

O encontro acontecerá por via online, nesta terça-feira às 20h, e será guiado pelo presidente do Instituto Phaneros, Eduardo Schenberg, PhD. Para as próximas semanas estão programadas visitas internacionais à Comunidade. Fique atento às nossas redes para saber tudo o que estamos organizando por aqui!

Phaneros

O treinamento que os terapeutas brasileiros irão fazer nos EUA com a MAPS, parceira do Phaneros

Phaneros

A partir da parceria estabelecida entre o Instituto Phaneros e o centro de pesquisa psicodélica norte-americano @mapsnews, seis brasileiros estiveram semana passada nos EUA para participar do “MDMA Therapy Training Program” (Programa de Treinamento em Terapia com MDMA), da instituição.

O treinamento foi criado pela MAPS em 2012 e, desde então, já formou quase 2 mil profissionais. Com a duração de uma semana, ele aborda o histórico das terapias psicodélicas e dos estados alterados de consciência. Seu foco, no entanto, está na prática terapêutica: o processo, a ambientação, a segurança e as dinâmicas entre cuidadores e pacientes. Em 2021, a MAPS publicou um estudo clínico Fase 3 que mostrou que o MDMA pode ser eficaz em tratar pacientes com estresse pós-traumático grave com grande sucesso em até 67% dos casos, um feito considerado pela revista Science um dos maiores avanços da ciência no mundo em 2021.

O programa inclui aulas expositivas, apresentação de casos clínicos, role play e atividades para a autorreflexão. As aulas são facilitadas por treinadores da instituição, que estimulam a discussão e os processos de aprendizagem. Na edição deste mês, chama a atenção o aumento na diversidade do grupo de alunos – algo que costuma ser criticado nas terapias psicodélicas. Há mais participantes latinos, negros e asiáticos na turma, por exemplo. 

A ideia é que a nova turma possa se tornar em breve supervisora de outros facilitadores especializados em Psicoterapias Assistidas por Psicodélicos (PAPs) no Brasil, especialmente dos 50 participantes da primeira turma da Formação em Pesquisa com Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (FoPAP), do Instituto Phaneros, que teve início em fevereiro deste ano. 

Este é o segundo grupo de brasileiros que participa da atividade por meio da parceria entre o Phaneros e a MAPS. Este ano, fazem parte do grupo o diretor do Instituto Phaneros, Thales Caldonazo, a médica Fátima Caldas @fatima_caldas, Ana Paula Caldas, as psicólogas Paula Azem @paulac.azem_psi e Paula Siqueira @ayuremah e o médico Ronaldo Azem @azem.ronaldo.

institutophaneros.org

Esta semana na FoPAP: hora de assistir aos casos clínicos

institutophaneros.org

A primeira turma da nossa Formação em Pesquisa com Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (FoPAP) segue se aprofundando no mundo da terapia com psicodélicos. Esta semana, os alunos terão a oportunidade de entrar em contato com casos clínicos reais de pesquisas legalmente conduzidas em sessões de Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (PAP) no Brasil.

No encontro desta quinta-feira, 7 de abril, a turma irá assistir a uma versão condensada das sessões de PAP feitas aqui no Brasil com dois pacientes vítimas de abusos sexuais na infância, depois tratadas com psicoterapia assistida por MDMA. As gravações fazem parte do estudo clínico realizado pelo Instituto Phaneros em 2018, cujos resultados foram publicados na Revista Brasileira de Psiquiatria em 2020 e renderam também um editorial na mesma revista sobre os psicodélicos na psiquiatria. Cada paciente passa por 40 horas de terapia, por isso a necessidade de editar os vídeos, que também poderão ser acessados pelos alunos na íntegra depois Para garantir a confidencialidade, todo o material será disponibilizado unicamente em ambiente virtual seguro, com acesso restritro e controlado.

Será a primeira vez que a turma terá a oportunidade de assistir a estudos psicodélicos reais – um universo cheio de particularidades e protocolos rigorosos de atendimento. A ideia é que os alunos possam observar todos os aspectos da experiência: o ambiente, a música, os procedimentos, possíveis reações, e o trabalho dos profissionais. A aula dessa semana será conduzida pelo presidente do Instituto Phaneros, e pesquisador principal do estudo de 2018, Eduardo Schenberg.

A FoPAP oferecerá, ao longo de 18 meses, atividades individuais e em grupo, online e presenciais, incluindo aulas teóricas, apresentação de casos clínicos, role-play, leituras e produção de material intelectual reflexivo sobre aspectos teóricos e práticos da Psicoterapia Assistida por Psicodélicos. O objetivo é capacitar profissionais de saúde que participarão de estudos clínicos e colaborarão com pesquisas científicas sobre o assunto.

institutophaneros.org.

Os brasileiros que irão se especializar em terapias com MDMA

institutophaneros.org.

Desembarca esta semana nos EUA o segundo grupo de terapeutas que terá a oportunidade de participar do curso de formação de terapeutas especializados em Psicoterapia Assistida por Psicodélicos nos nossos parceiros da @mapsnews. No total, serão seis terapeutas brasileiros que irão concluir o “MDMA Therapy Training Program” (Programa de Treinamento em Terapia com MDMA) – entre eles, o diretor do Instituto Phaneros Thales Caldonazo, e outros cinco parceiros de notória experiência terapêutica.

Este é o segundo grupo de brasileiros que irá participar da atividade por meio da parceria estabelecida entre o Phaneros e a MAPS. A primeira leva aconteceu ainda em 2016, com a participação do presidente e principal investigador do Instituto, Eduardo Schenberg, PhD @ee_schenberg; o casal de terapeutas @doravjardim1 e @aljardim; e o médico @brc61. Este ano, fazem parte do time as médicas @fatima_caldas e @anapaulacaldas77, as psicólogas @paulac.azem_psi e @ayuremah e o médico @azem.ronaldo. 

Foi a partir dessa aproximação inicial que o Phaneros pôde dar prosseguimento ao seu próprio estudo clínico focado em tratar traumas com MDMA. Em 2017, foi concluída a importação da substância com anuência da ANVISA, e os primeiros pacientes receberam atendimento em 2018. Os resultados da pesquisa foram publicados na Revista Brasileira de Psiquiatria em 2020 e renderam também um editorial na mesma revista sobre os psicodélicos na psiquiatria.

A ideia é que a nova turma se torne supervisores de outros facilitadores especializados em PAP no Brasil, especialmente dos 50 participantes da primeira turma da Formação em Pesquisa com Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (FoPAP), do Instituto Phaneros, que teve início em fevereiro deste ano. 

instituto phaneros

University College London e Instituto Phaneros: além da neuroimagem

instituto phaneros

O encontro do presidente do Instituto Phaneros, Eduardo Schenberg, PhD, com representantes da universidade britânica UCL (University College London) foi frutífero. Eduardo foi à capital inglesa na semana passada para acertar os detalhes do projeto de pesquisa sendo elaborado pelas duas instituições – e voltou de lá cheio de novidades.

A principal delas diz respeito ao foco do estudo: as pesquisas em neuroimagem para observar os efeitos da psicoterapia assistida por psicodélicos (PAP) sobre o cérebro humano. Para além das imagens, Eduardo e seus colegas pretendem também estender o escopo metodológico, possivelmente incluindo análises de áudio e vídeo. A ideia é observar o discurso dos pacientes durante as experiências. Isso inclui, por exemplo, analisar os tipos de palavras utilizadas, a maneira como estruturam suas sentenças, o tom e as emoções contidas na voz. 

Outra novidade sendo debatida é a possibilidade de incluir modernos aplicativos de acompanhamento de longo prazo para os voluntários. Esse tipo de ferramenta é útil para compilar dados de comportamento, humor e emoções dos participantes por meses após as sessões de psicoterapia. O importante é que esses aplicativos – que já são usados pela UCL em outras pesquisas – garantam a confidencialidade dos dados e dos pacientes por meio de criptografia avançada.

Para que seja feita a coleta da neuroimagem no Brasil, o Instituto Phaneros também está em negociações avançadas com um importante centro de pesquisa brasileiro, com o qual também será organizado um evento conjunto, possivelmente em junho, com as verbas já concedidas pelo Global Engagement Fund da UCL.

O UNITy-Project (ou Understanding Neuroplasticity Induced by Tryptamines) da UCL anunciou a parceria com o Phaneros em 26 de janeiro de 2022 com destaque para o trabalho do Instituto e, em especial, para a carreira de Eduardo. “Eduardo Schenberg traçou um caminho acadêmico sólido na interface entre psicologia, psiquiatria e neurociências. Agora é trabalhar para a nova proposta de financiamento cobrir os vários custos destes estudos!

instituto phaneros

O lucrativo mundo da revolução psicodélica

instituto phaneros

Estudos mostraram que MDMA é capaz de curar dois terços dos casos graves de estresse pós-traumático. Outro indicou que a psilocibina – o princípio ativo dos cogumelos mágicos – é tão eficiente em tratar depressão quanto o escitalopram, um dos antidepressivos clássicos mais populares que existem. Com tantos resultados positivos, não é de se espantar que a propaganda e venda de remédios à base dessas substâncias tenha se tornado uma lucrativa – e predatória – indústria.

Esse foi o tema da reportagem de capa da revista americana The Nation, de março de 2022, para a qual o presidente do Instituto Phaneros, Eduardo Schenberg, PhD, concedeu uma entrevista. A matéria ressalta como o mundo dos psicodélicos pode estar se afastando de suas origens tradicionais indígenas e de sua trajetória contrarrevolucionária dos anos 1960, para ser sugada pelo universo das startups e da lógica capitalista.

Atualmente, existem mais de 50 empresas de capital aberto que desenvolvem e ministram componentes psicodélicos nos EUA – três delas com um valor de mercado de mais de US$ 1 bilhão. Estima-se que a indústria cresça em ritmo alucinante nos próximos anos: em 2020, ela movimentou US$ 2 bilhões, e a projeção para 2027 é de US$ 10,8 bilhões. A aposta das empresas é conseguir patentear drogas psicodélicas derivadas das substâncias naturais, que depois possam ser comercializadas pagando direitos autorais. “Para essas empresas, é normal tentar bloquear competidores com patentes agressivas. É assim que elas operam”, disse Eduardo, que tem artigos publicados criticando o abuso de patentes, tanto da psilocibina quanto da ayahuasca

Os próprios diretores dessas empresas não estão necessariamente envolvidos na causa psicodélica. A revista cita o caso de Peter Thiel, acionista da Compazz Pathways. Thiel é cofundador do PayPal e da firma de análise de dados Palantir – que presta serviço para a Agência de Segurança Nacional americana, ajudando-a a vigiar a população e a localizar imigrantes ilegais que seriam separados de seus filhos na fronteira EUA-México. Infelizmente, na nova revolução psicodélica, quem anda ditando o ritmo, para variar, é o lucro.

instituto phaneros

University College London aprova verba para parceria com o Instituto Phaneros

instituto phaneros

Acabou de ser aprovado na prestigiosa universidade britânica UCL (University College London) um projeto de financiamento de pesquisa em neuroimagem com psicodélicos. 

O UNITy-Project (ou Understanding Neuroplasticity Induced by Tryptamines) anunciou o resultado em 26 de janeiro de 2022 com destaque para o trabalho do Instituto e, em especial, para a carreira acadêmica de seu diretor, Eduardo Schenberg, PhD. “Eduardo Schenberg traçou um caminho acadêmico sólido na interface entre psicologia, psiquiatria e neurociências. Ele tocou e participou de importantes estudos sobre os efeitos dos psicodélicos na mente e no cérebro humano, incluindo um estudo de eletroencefalografia e ayahuasca e o primeiro estudo de neuroimagem sobre os efeitos do LSD em humanos”, diz o texto.

O foco da parceria será o estudo da função cerebral de pacientes em tratamentos que utilizam Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (ou PAP). “Ainda estamos bem no começo do processo, que promete ser interessante. Queremos analisar as neuroimagens de pacientes antes e depois de terem participado de sessões de Psicoterapia Assistida por Psicodélicos. Agora, com a verba inicial aprovada, vamos trabalhar para desenvolver detalhes desta parceria, que levará alguns anos para ser implementada e executada em ambos os países”, explica Eduardo. 

O UNITy vai usar ressonância magnética para visualizar o cérebro humano durante experiências com dimetiltriptamina (DMT), talvez na maior amostra jamais realizada. A ideia é avaliar em seguida as mudanças nas redes cerebrais, na cognição, no comportamento e no bem-estar dos participantes. A parceria com o Brasil vai expandir os dados do UNITy para outras substâncias e dados de pacientes de diversos transtornos a serem tratados no Brasil. 

instituto phaneros

Revista Science inclui terapia psicodélica na lista de grandes avanços científicos de 2021

instituto phaneros

A Science é uma das mais importantes publicações científicas do mundo. Todo ano, ela escolhe os mais promissores e revolucionários avanços da ciência nos últimos doze meses – e, em 2021, uma terapia psicodélica entrou para a lista. Foi o artigo publicado em maio na revista Nature Medicine, que mostrou que a psicoterapia assistida por MDMA é eficaz no tratamento do estresse pós-traumático.

A revista ressalta o rigor científico da pesquisa com MDMA. Destaca, por exemplo, que se tratou de um estudo clínico randomizado e controlado, que indicou que esse psicodélico pode, de fato, curar pacientes com traumas. Para quem não se lembra, o artigo publicado na Nature Medicine, e elaborado por nossos parceiros da @mapsnews, mostrou que 67% dos voluntários que receberam psicoterapia assistida por MDMA deixaram de apresentar os sintomas de estresse pós-traumático depois de apenas dois meses, contra 32% no grupo que tomou placebo. Um resultado como esse raramente é alcançado no campo da psiquiatria. O Instituto Phaneros, aliás, também conduz pesquisas com essas substâncias e pessoas que sofrem de trauma.

A Science, porém, também lembra as dificuldades metodológicas da pesquisa psicodélica. Ela menciona o desafio que é desenvolver testes duplo cego com esse tipo de substância, uma vez que quase todos os voluntários conseguem discernir se recebeu MDMA ou placebo. No caso da pesquisa publicada em maio, 90% deles acertaram que tipo de medicamento receberam. 

A lista da Science conta sempre com uma inovação que leva o prêmio principal – que neste ano foi para uma Inteligência Artificial capaz de prever a estrutura em 3D de qualquer proteína a partir dos seus aminoácidos – e nove finalistas, onde se inclui a terapia de MDMA. Houve ainda uma votação popular entre os leitores que, em 2021, coincidiu com a escolha editorial da revista.