PHANEROS

Em votação histórica, Colorado legaliza os cogumelos mágicos

PHANEROS

Por uma margem de votos apertadíssima, o estado norte-americano do Colorado decidiu legalizar o consumo dos chamados cogumelos mágicos e de seu princípio ativo, a psilocibina, nas eleições de meio de mandato realizadas em 8 de novembro de 2022. Com 51% dos votos, a população aprovou uma proposta de lei que autoriza pessoas acima de 21 anos a cultivar, consumir e compartilhar os cogumelos. A mesma emenda também autoriza a criação de “centros de tratamento”, instituições regulamentadas pelo estado nas quais a população poderá ingerir psilocibina para tratar questões de saúde mental. Ao contrário da maconha, que já foi legalizada no estado há uma década, a psilocibina não poderá ser comercializada em lojas comuns.

“Os eleitores do Colorado identificaram os benefícios do acesso controlado a remédios naturais, incluindo a psilocibina, para ajudar a curar pessoas com estresse pós-traumático, doenças terminais, depressão, ansiedade e outras questões de saúde mental”, disseram Kevin Matthews e Veronica Lightening Horse Perez, autores da proposta.

A campanha pela legalização da substância recebeu US$ 4,5 milhões da Natural Medicine Colorado, uma instituição que luta pelo acesso legal a espécies de plantas e fungos que foram criminalizadas. A oposição à emenda foi feita por uma associação chamada “Proteja as Crianças do Colorado” (Protect Colorado’s Kids) e arrecadou apenas US$ 51 mil.

A emenda, chamada de Proposition 122, também vai possibilitar que os centros de tratamento passem a oferecer outros tipos de psicodélicos a partir de 2026: a ibogaína, a mescalina e o DMT. A expectativa é que os primeiros centros possam começar a funcionar em 2024. 

Algumas dúvidas em relação ao porte de psilocibina, porém, continuam. Não se sabe, por exemplo, qual vai ser a quantidade máxima de cogumelos que uma pessoa poderá portar ou distribuir, o que deve ficar a critério das cortes judiciais. Isso pode abrir margem para futuras (e longas) discussões, como as que ocorreram no Oregon, o primeiro estado a legalizar os cogumelos nos EUA em 2020, e que levou dois anos para definir os detalhes de regulamentação.

Instituto Phaneros

A Psicoterapia Assistida por Psicodélicos mudou o paradigma dos tratamentos psiquiátricos?

 Instituto Phaneros

Em 2018, o presidente do Instituto Phaneros, Eduardo Schenberg, PhD, publicou um artigo de opinião na prestigiosa revista científica Frontiers in Pharmacology, no qual discute a crise dos tratamentos psiquiátricos disponíveis e o papel da Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (PAP) nesse cenário.

Intitulado “Psychedelic-Assisted Psychotherapy: A Paradigm Shift in Psychiatric Research and Development” e citado desde então em mais de 50 publicações nacionais e internacionais, o artigo propõe que se entenda a PAP como uma inovação radical nos atendimentos em saúde mental. Segundo Eduardo, essa inovação possui as características de uma mudança de paradigma, se usarmos como critério a teoria proposta pelo filósofo Thomas Kuhn em seu clássico “A Estrutura das Revoluções Científicas”.

De acordo com Eduardo, “além de novos tratamentos, o modelo da PAP também tem importantes consequências para os eixos diagnóstico e explanatório da crise psiquiátrica, desafiando as categorias nosológicas discretas e avançando novas explicações sobre os transtornos mentais e seu tratamento, em um modelo que considera fatores culturais e sociais, incluindo adversidades, trauma e o potencial terapêutico de alguns estados não ordinários de consciência.”

O artigo tem se mostrado cada vez mais relevante na área da saúde mental, e já acumulou mais de 110.000 visualizações e quase 10.000 downloads desde que foi publicado – duas marcas que o colocam acima de 99% dos artigos publicados pela editora Frontiers. Outro forte indício de sua importância e atualidade é que, mesmo passados 4 anos de sua publicação, quase 20 das 50 citações a ele foram feitas em 2022.

Ou seja, não é exagero dizer que o Instituto Phaneros contribui de forma relevante para o debate sobre terapias psicodélicas no mundo. Quer ler o artigo na íntegra? Clique no link:

https://bit.ly/Frontiersphaneros

Eduardo Schenberg

Eduardo Schenberg sugere cautela sobre microdosagens

Eduardo Schenberg

 

O jornal Folha de São Paulo @folhadespaulo publicou esta semana, no feriado de 12 de outubro, uma reportagem sobre um comportamento que vêm se espalhando pelo Brasil: a microdosagem, o hábito de consumir doses baixíssimas de psicodélicos, especificamente a psilocibina dos chamados cogumelos mágicos, para tratar de forma caseira sintomas de ansiedade. O presidente do Instituto Phaneros, Eduardo Schenberg, PhD, foi convidado a comentar o hábito.

No Brasil, quem pratica a microdosagem compra os cogumelos em estado bruto pela internet e consome-os por conta própria. A Folha entrevistou duas dessas pessoas, que declararam estar se sentindo melhor dos sintomas da ansiedade. Apesar desses relatos, os efeitos positivos da microdosagem estão longe de serem consenso científico. “Os estudos científicos vão mostrando cada vez mais que quando se faz um estudo duplo cego —em que algumas pessoas vão receber a microdose e outras não, sem elas saberem quem está recebendo ou não— praticamente não há diferenças detectáveis entre os grupos. Isso é geralmente chamado de efeito placebo”, disse Eduardo à Folha, enfatizando que pacientes com depressão não devem substituir seus tratamentos atuais, seja antidepressivo ou psicoterapia, por microdoses.

Outra entrevistada pelo jornal, Carla Bicca, vice-coordenadora da Comissão de Adicções da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) ressaltou os possíveis efeitos colaterais dos psicodélicos: “Essas drogas do jeito que estão vindo, meio empurradas pela cultura, são muito perigosas. As pessoas mais vulneráveis mentalmente têm mais risco, por exemplo, de psicotizar com a psilocibina”.

A reportagem também explica que os benefícios mais evidentes da psilocibina vêm sendo observados em sessões de Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (PAPs), nas quais a dosagem é bem maior e onde os pacientes são acompanhados por psicoterapeutas especializados. Para tanto, o jornal deu destaque ao trabalho do Instituto Phaneros, que, além de produzir conteúdo educativo para profissionais de saúde, há anos conduz pesquisas com a PAP, e que está com novos testes clínicos com psicodélicos aprovados na Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. 

Link:

https://bit.ly/PHANEROS-P89

Graham Pechenik

Esta semana na Comunidade: Graham Pechenik e o debate sobre patentes psicodélicas

Graham Pechenik

Esta semana a Comunidade Phaneros 2022 recebe mais um convidado especial, dessa vez para tratar um assunto ainda não muito explorado nos encontros anteriores: o registro de novas patentes baseadas em substâncias psicodélicas. Para isso, a turma vai receber Graham Pechenik, advogado americano, fundador da empresa de advocacia Calyx Law, especializada em registrar propriedade intelectual relacionada a Cannabis e substâncias psicodélicas.

Graham é formado pela Universidade de San Diego, com ênfase em neurociência cognitiva, além de direito. Depois de algumas experiências psicodélicas e de alterações no estado de consciência, passou a estudar também bioquímica e bioética na Universidade de Nova York. Seu pontapé profissional se deu dentro de empresas tradicionais, defendendo patentes para farmacêuticas e fabricantes de produtos químicos e agrícolas, o que fez por mais de uma década.

Em 2016, decidiu fundar a Calyx Law, que ajuda empresas voltadas à comercialização de Cannabis e psicodélicos a registrar suas patentes. Ele também advoga em defesa da descriminalização dessas substâncias, em São Francisco, onde mora.

Patentear novos medicamentos e produtos baseados em substâncias naturais, como é o caso da maconha e de muitos psicodélicos, é sempre um terreno espinhoso, de muita deliberação ética. Afinal, a partir de qual ponto uma substância pode ser considerada inédita ou inovadora a ponto de poder ser cedida a uma empresa e protegida pela lei? É justo uma companhia poder lucrar com um produto que é tão fortemente conectado a um bem imaterial e coletivo, como são as plantas ou os fungos? Essa e muitas outras perguntas prometem aquecer o debate com Graham nesta terça-feira.

Ao longo do ano, a Comunidade oferecerá 35 encontros, sempre às terças-feiras, com visitas de alguns dos maiores especialistas do assunto no Brasil e no mundo. Neles, serão discutidos artigos científicos, filmes, livros e documentários sobre o universo dos psicodélicos e suas aplicações para a saúde mental.

IRIS

Instituto Phaneros no Iris Festival

IRIS

O Parque Lage, no Rio de Janeiro, vai sediar entre os dias 12, 13 e 14 de agosto o IRIS Festival @irisprobemviver, um encontro entre arte, ciência, espiritualidade, tecnologia, ecologia e cultura. Ao longo dos três dias, o evento vai oferecer palestras, shows de música, oficinas, workshops, rodas de cultura popular, conferências e experiências únicas para os participantes.

A ideia do festival é criar um espaço que lute por uma sociedade mais igualitária, com foco na sustentabilidade e na justiça social, com reflexões e questionamentos sobre o status quo. O objetivo é promover a mudança – interna e externa – das pessoas, incentivando a conexão com a natureza e as comunidades tradicionais, para poder lidar com as crises atuais da sociedade.

O presidente do Instituto Phaneros, Eduardo Schenberg, também vai participar do IRIS Festival em um bate-papo com outros dois agentes de mudança: o astrônomo brasileiro Marcelo Gleiser @gleiserofficial e a ecologista e autora de livros Monica Gagliano @_monicagagliano_. A conversa, “Alternativas de pensar a natureza, o humano e o cosmos”, acontece às 17h do dia 13 de agosto, sábado. 

Outras atrações incluem a chef de cozinha Bela Gil @belagil (“A comida como lente para enxergar o mundo”), assim como a liderança indígena Eliane Potiguara @elianepotiguara e o socioambientalista Thiago Ávila (“O Bem Viver: uma oportunidade para imaginar novos mundos”). Entre as atrações musicais estão Mateus Aleluia e o Samba da Dida.

Os ingressos estão à venda no site da Benfeitoria (https://benfeitoria.com/projeto/irisfestival), que também está arrecadando fundos para a realização do evento. Os apoios variam entre R$ 30 e R$ 1.500, e permitem desde a participação básica ao IRIS Festival até shows personalizados, viagens e o status de patrocinador oficial. Entre no site e garanta já o seu acesso!

 

FoPAP

As próximas semanas da FoPAP: experiências em primeira mão

FoPAP

O começo de julho será emocionante para os alunos da primeira Formação em Pesquisa com Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (FoPAP). Chegou a hora de conviverem presencialmente e aprofundarem as trocas e experiências em primeira mão durante um retiro, na cidade de Areias, no interior de São Paulo. Para isso, a turma será dividida em dois grupos, um que participará da semana de 4 a 8 de julho, e outro de 11 a 15 de julho.

Para o retiro, estão programadas trocas e conversas entre os terapeutas em treinamento, além de oportunidades de vivenciar pessoalmente estados não-ordinários de consciência. Os alunos farão sessões de respiração holotrópica, uma técnica desenvolvida nos anos 1980 pelo psiquiatra tcheco Stanislav Grof. Por meio de músicas evocativas e hiperventilação, o método permite que a pessoa experiencie estados parecidos com os causados por psicodélicos, com memórias vívidas, resolução de problemas emocionais e vivências de dimensão espiritual. 

Os terapeutas em treinamento irão passar pelos estados não-ordinários de consciência em grupos: enquanto uns fazem a respiração holotrópica, outros estarão acompanhando e cuidando dos colegas em duplas – e vice-versa. Os alunos serão acompanhados por facilitadores certificados na técnica e alguns auxiliares em formação.

A FoPAP oferecerá, ao longo de 18 meses, atividades individuais e em grupo, online e presenciais, incluindo aulas teóricas, apresentação de casos clínicos, role-play, leituras e produção de material intelectual reflexivo sobre aspectos teóricos e práticos da Psicoterapia Assistida por Psicodélicos. O objetivo é capacitar profissionais de saúde que participarão de estudos clínicos e colaborarão com pesquisas científicas sobre o assunto.

 

institutophaneros.org

Esta semana na Comunidade: a integração entre terapia e psicodélicos

institutophaneros.org

Depois de uma breve pausa na semana passada, a Comunidade Phaneros 2022 volta agora com mais um tema essencial. Dessa vez, a discussão será em torno de um artigo científico escolhido pelo grupo no nosso canal exclusivo no Telegram: “Integrating psychotherapy and psychopharmacology: psychedelic-assisted psychotherapy and other combined treatments”, de Kyle T. Greenway, e Nicolas Garel, da Universidade McGill, no Canadá, entre outros.

O trabalho trata-se de uma revisão de centenas de outras publicações lançadas anteriormente que focam na integração entre terapia e psicodélicos. No total, os autores revisaram 239 papers para tentar entender de que maneira a psicoterapia pode interferir (ou intensificar ou auxiliar) no tratamento para distúrbios psiquiátricos feitos com psicodélicos.

A combinação entre psicoterapia e medicalização costuma ser vista com o padrão ouro da psiquiatria, especialmente para tratar dois dos transtornos mais prevalentes do mundo: a depressão e a ansiedade. Nesse contexto, os psicodélicos surgiram como mais uma promissora alternativa a ser prescrita juntamente com o acompanhamento psicológico, na chamada PAP (Psicoterapia Assistida por Psicodélicos). 

Como dizem os autores, ao se voltar para a história dos tratamentos psicodélicos: “Logo depois de sua descoberta, o LSD chamou a atenção de psicanalistas, que estavam profundamente interessados nos processos mentais internos e em conceitos como o ‘ego’. Levar material do inconsciente à consciência de maneira a ser ‘trabalhado’ dentro do consultório é um dos objetivos fundamentais da psicoterapia orientada por insights, e o LSD foi rapidamente visto como um catalisador pela psicanálise”. 

O encontro acontecerá por via online, nesta terça-feira às 20h, e será guiado pelo presidente do Instituto Phaneros, Eduardo Schenberg, PhD. Para as próximas semanas estão programadas visitas internacionais à Comunidade. Fique atento às nossas redes para saber tudo o que estamos organizando por aqui!

Phaneros

O treinamento que os terapeutas brasileiros irão fazer nos EUA com a MAPS, parceira do Phaneros

Phaneros

A partir da parceria estabelecida entre o Instituto Phaneros e o centro de pesquisa psicodélica norte-americano @mapsnews, seis brasileiros estiveram semana passada nos EUA para participar do “MDMA Therapy Training Program” (Programa de Treinamento em Terapia com MDMA), da instituição.

O treinamento foi criado pela MAPS em 2012 e, desde então, já formou quase 2 mil profissionais. Com a duração de uma semana, ele aborda o histórico das terapias psicodélicas e dos estados alterados de consciência. Seu foco, no entanto, está na prática terapêutica: o processo, a ambientação, a segurança e as dinâmicas entre cuidadores e pacientes. Em 2021, a MAPS publicou um estudo clínico Fase 3 que mostrou que o MDMA pode ser eficaz em tratar pacientes com estresse pós-traumático grave com grande sucesso em até 67% dos casos, um feito considerado pela revista Science um dos maiores avanços da ciência no mundo em 2021.

O programa inclui aulas expositivas, apresentação de casos clínicos, role play e atividades para a autorreflexão. As aulas são facilitadas por treinadores da instituição, que estimulam a discussão e os processos de aprendizagem. Na edição deste mês, chama a atenção o aumento na diversidade do grupo de alunos – algo que costuma ser criticado nas terapias psicodélicas. Há mais participantes latinos, negros e asiáticos na turma, por exemplo. 

A ideia é que a nova turma possa se tornar em breve supervisora de outros facilitadores especializados em Psicoterapias Assistidas por Psicodélicos (PAPs) no Brasil, especialmente dos 50 participantes da primeira turma da Formação em Pesquisa com Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (FoPAP), do Instituto Phaneros, que teve início em fevereiro deste ano. 

Este é o segundo grupo de brasileiros que participa da atividade por meio da parceria entre o Phaneros e a MAPS. Este ano, fazem parte do grupo o diretor do Instituto Phaneros, Thales Caldonazo, a médica Fátima Caldas @fatima_caldas, Ana Paula Caldas, as psicólogas Paula Azem @paulac.azem_psi e Paula Siqueira @ayuremah e o médico Ronaldo Azem @azem.ronaldo.

institutophaneros.org.

Os brasileiros que irão se especializar em terapias com MDMA

institutophaneros.org.

Desembarca esta semana nos EUA o segundo grupo de terapeutas que terá a oportunidade de participar do curso de formação de terapeutas especializados em Psicoterapia Assistida por Psicodélicos nos nossos parceiros da @mapsnews. No total, serão seis terapeutas brasileiros que irão concluir o “MDMA Therapy Training Program” (Programa de Treinamento em Terapia com MDMA) – entre eles, o diretor do Instituto Phaneros Thales Caldonazo, e outros cinco parceiros de notória experiência terapêutica.

Este é o segundo grupo de brasileiros que irá participar da atividade por meio da parceria estabelecida entre o Phaneros e a MAPS. A primeira leva aconteceu ainda em 2016, com a participação do presidente e principal investigador do Instituto, Eduardo Schenberg, PhD @ee_schenberg; o casal de terapeutas @doravjardim1 e @aljardim; e o médico @brc61. Este ano, fazem parte do time as médicas @fatima_caldas e @anapaulacaldas77, as psicólogas @paulac.azem_psi e @ayuremah e o médico @azem.ronaldo. 

Foi a partir dessa aproximação inicial que o Phaneros pôde dar prosseguimento ao seu próprio estudo clínico focado em tratar traumas com MDMA. Em 2017, foi concluída a importação da substância com anuência da ANVISA, e os primeiros pacientes receberam atendimento em 2018. Os resultados da pesquisa foram publicados na Revista Brasileira de Psiquiatria em 2020 e renderam também um editorial na mesma revista sobre os psicodélicos na psiquiatria.

A ideia é que a nova turma se torne supervisores de outros facilitadores especializados em PAP no Brasil, especialmente dos 50 participantes da primeira turma da Formação em Pesquisa com Psicoterapia Assistida por Psicodélicos (FoPAP), do Instituto Phaneros, que teve início em fevereiro deste ano. 

instituto phaneros

University College London e Instituto Phaneros: além da neuroimagem

instituto phaneros

O encontro do presidente do Instituto Phaneros, Eduardo Schenberg, PhD, com representantes da universidade britânica UCL (University College London) foi frutífero. Eduardo foi à capital inglesa na semana passada para acertar os detalhes do projeto de pesquisa sendo elaborado pelas duas instituições – e voltou de lá cheio de novidades.

A principal delas diz respeito ao foco do estudo: as pesquisas em neuroimagem para observar os efeitos da psicoterapia assistida por psicodélicos (PAP) sobre o cérebro humano. Para além das imagens, Eduardo e seus colegas pretendem também estender o escopo metodológico, possivelmente incluindo análises de áudio e vídeo. A ideia é observar o discurso dos pacientes durante as experiências. Isso inclui, por exemplo, analisar os tipos de palavras utilizadas, a maneira como estruturam suas sentenças, o tom e as emoções contidas na voz. 

Outra novidade sendo debatida é a possibilidade de incluir modernos aplicativos de acompanhamento de longo prazo para os voluntários. Esse tipo de ferramenta é útil para compilar dados de comportamento, humor e emoções dos participantes por meses após as sessões de psicoterapia. O importante é que esses aplicativos – que já são usados pela UCL em outras pesquisas – garantam a confidencialidade dos dados e dos pacientes por meio de criptografia avançada.

Para que seja feita a coleta da neuroimagem no Brasil, o Instituto Phaneros também está em negociações avançadas com um importante centro de pesquisa brasileiro, com o qual também será organizado um evento conjunto, possivelmente em junho, com as verbas já concedidas pelo Global Engagement Fund da UCL.

O UNITy-Project (ou Understanding Neuroplasticity Induced by Tryptamines) da UCL anunciou a parceria com o Phaneros em 26 de janeiro de 2022 com destaque para o trabalho do Instituto e, em especial, para a carreira de Eduardo. “Eduardo Schenberg traçou um caminho acadêmico sólido na interface entre psicologia, psiquiatria e neurociências. Agora é trabalhar para a nova proposta de financiamento cobrir os vários custos destes estudos!